Armas da Guerra (2)

5 nov

T-35


O tanque T-35 foi um dos maiores fracassos dos projetistas soviéticos. Teve sua origem em estudos iniciados no ano de 1930 e seu primeiro protótipo ficou pronto em 1932. Em aparência e em outros muitos aspectos ele era bastante influênciado por um tanque da British Vickers Independent. 

Apesar de haver mudanças entre as diversas linhas de produção, os tanques da principal linha de produção entre 1935 e 1938 eram mais longos que os originais. Era bastante difícil coordenar, mirar e disparar as cinco torres e a efetividade do armamento era limitada devido ao baixo calibre da arma principal. As torres e a arma principal eram as mesmas utilizadas no tanque T-28. A blindagem variava entre 10mm e 30mm.


A produção do T-35 era lenta se comparada com a produção de outros tanques soviéticos da época. Apenas 61 unidades foram produzidas entre 1933 e 1939 e todos estes tanques serviam em uma única brigada localizada próxima de Moscou. Serviam mais como uma propaganda política, pois regularmente participavam de paradas militares na Praça Vermelha e davam uma falsa impressão da força dos tanques soviéticos. Os massivos veículos davam uma incrível impressão mas eram bem diferentes em serviço.

Quando o T-35 teve de ir para a Guerra em 1941, apenas alguns viram serviço, porque a maioria ficou retido em Moscou para defesa. Parece não haver registros de algum T-35 em ação nos arredores de Moscou mas os poucos outros que tentaram barrar o avanço Alemão não se saíram bem. Por serem poucos blindados e lentos, eram presa fácil para os Panzers.

Especificações do T-35

Tripulação: 11
Peso: 45 toneladas
Motor: um motor M-17M V-12 desenvolvendo 500hp
Dimensões: comprimento: 9,72m; largura: 3,2m; altura: 3,43m
Performance: velocidade máxima: 30km/h; alcance máximo: 150km
Armamento: uma arma de 72,6mm, duas armas de 42mm e cinco ou seis metralhadoras de 7,62mm

KV-VI Behemoth


“Ele não precisa fazer curvas, ele irá direto á Berlim”
Disse Stalin quando questionado sobre o projeto do KV-VI Behemoth. 

Desde o colapso da União Soviética, muitas informações sobre armamentos secretos desenvolvidos pelo Exército Vermelho começaram a aparecer, e um dos mais fascinantes é o tanque KV-VI Behemoth.

Em Julho de 1941, Stalin soube de um tanque KV-II que sozinho segurou a 6º Divisão de Panzers(tanques alemães) por um dia inteiro. Com o incrível sucesso deste tanque, Stalin ordenou um projeto de um super tanque baseado no KV-II. Ele deveria ter três torres, ser pesadamente armado e blindado e capaz de se defender de qualquer tipo de ataque.

O projeto foi entregue para o grupo Kotin/Barkov. Quando os projetistas reclamaram para o Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética que a insistência em ter três torres deixaria o tanque muito longo para ter um raio de curvatura aceitável. Ele respondeu: “Ele não precisa fazer curvas, ele irá direto á Berlim.”

O KV-VI Behemoth era um tanque de múltiplas torres que utilizava componentes dos tanques KV-I, KV-II, BT-5, T-60 e T-38. O uso de projetos de tanques já existentes foi necessário devido a pressão do Secretário-Geral e as tensões impostas na indústria soviética pelos invasores alemães. Por causa do seu massivo peso, o tanque foi equipado com mecanismos de enchimento que o permitiam atravessar rios de até 2,7 metros de profundidade. O tanque também era equipado com uma torre de observação removível que poderia ser utilizada para direcionar os obuses o os foguetes

Histórico Operacional

O primeiro KV-VI Behemoth ficou pronto em Dezembro de 1941 e foi enviado para a defesa de Moscou. Na sua primeira ação, durante uma densa neblina de inverno, a torre traseira acidentalmente atirou contra a torre do meio, a explosão resultante destruiu o tanque completamente.

O segundo tanque ficou pronto em Janeiro de 1942 e foi enviado a Leningrado. Este tanque tinha um indicador instalado que mostrava quando outra torre estava na linha de tiro. No seu ataque inicial contra os alemães, o tanque quebrou ao meio quando atravessava uma ravina e uma faísca atingiu o combustível do lança-chamas, que resultou na total destruição do tanque.

O terceiro KV-VI Behemoth (mostrado na foto) era reforçado e também foi enviado a Leningrado, em 1942. Ele derrubou três aviões alemães, mas em seu primeiro ataque contra posições alemãs, o KV-VI Behemoth estava atirando contra os inimigos, quando coincidentemente, todas as torres atiraram na posição 3 horas ao mesmo tempo. O grande recuo causado pela força dos canhões inclinou o tanque para dentro de um trincheira. As munições de 152mm armazenadas dentro do tanque bateram-se fortemente, o que eu causou uma explosão que destruiu o tanque.

Depois de todas estas falhas, Stalin cancelou o projeto, e muitos dos projetistas do KV-VI Behemoth passaram o resto de suas vidas na Sibéria. Entre os poucos alemães que encontraram o KV-VI, eles o apelidaram de “Orquestra de Stalin”, devido a variedade de armas encontradas.

Especificações do KV-VI Behemoth

Tripulaçõs: 15 homens e um comissário
Comprimento: 15 metros
Largura: 3 metros Altura: 4,5 metros
Altura/torre levantada: 11 metros
Peso: 138 toneladas
Motor: 3 motores X V-2 at 600 Hp cada
Velocidade Máxima: 20,9 km/h
Alcance máximo: 157 km na estrada; 69 km off-road
Blindagem: máxima: 160mm; mínima: 7mm
Armamento: 2 X 152mm; 2 X 76.2mm; 1 X 45mm; 2 X 12.7mm DShK; 2 X 7.62mm Maxim; 14 X 7.62mm DT; 16 Foguetes BM-13 ; 2 Lança-chamas Modelo 1933

Type 3 Chi-Nu



O Type 3 Chi-Nu foi outro desenvolvimento sobre o Type 97 Chi-Ha da linha de tanques médios do Exército Imperial Japonês. O Type 3 foi feito para bater de frente ao tanque americano M4 Sherman depois do projeto Type 1 Chi-He se mostrar inadequado. O Exército trabalhava no Type 4 Chi-To para combater o M4 mas houve problemas e atrasos no programa e um tanque de substituição temporária foi preciso. O desenvolvimento do Type 3 começou em Maio de 1943 e acabou em Outubro do mesmo ano. A produção começou somente em 1944 quando materiais já estavam escassos e boa parte da indústria japonesa tinha sido afetada pelos bombardeiros americanos. Um total de 166 foram produzidos. 

Ele utilizava o mesmo chassi do Type 97 mas com uma torre hexagonal maior. A arma principal podia ser elevada entre -10° e +25°. O projétil da arma de 75mm tinha uma velocidade inicial de 680m/s e uma capacidade de penetração de 90mm á 100 metros de distância e 65mm á 1.000 metros de distância. A blindagem variava entre 12mm e 80mm.


O Type 3 foi utlizado nas ilhas do Império para defender contra a suposta invasão Aliada do Japão. Cerca de seis regimentos estavam equipados com o Type 3. Com a rendição do Japão, ocorrida antes da planejada invasão, o Type 3 acabou nunca sendo utilizado em combate.

Especificações do Type 3 Chi-Nu

Tripulação: 5
Peso: 18,2 toneladas
Dimensões: comprimento: 5,64m; altura: 2,68m; largura: 2,41m
Motor: Mitsubishi Type 100 V-12 desenvolvendo 240hp
Performance: alcance: 210km; velocidade: 39km/h
Armamento: arma principal de 75mm e uma metralhadora Type 97 de 7,7mm

 

Blackburn Botha


Em Setembro de 1935 o Ministério Britânico do Ar emitiu uma especificação para uma aeronave de reconhecimento e de bombardeio para três tripulantes e que fosse bimotor. Dois projetos foram aceitos, o Blackburn Botha e o Type 152 (mais tarde chamado de Beaufort) da Bristol. Ambos deveriam utilizar o motor Perseus. Mais tarde o Ministério do Ar revisou a especificação e mudou o número de tripulantes para quatro. O aumento de peso requeria um motor mais forte e enquanto a Blackburn recebeu o motor Perseus de 880hp, a Bristol utilizou o motor Taurus de 1.130hp. 

Enquanto pedidos eram emitidos para 442 Bothas em 1936, Beauforts também foram ordenados. O primeiro voo do Botha ocorreu no dia 28 de Dezembro de 1938. A RAF recebeu os Bothas em 12 de Dezembro de 1939 e entraram em serviço com o Esquadrão Nº608 em junho 1940. O Blackburn Botha era utilizado em patrulhas costeiras carregando cargas de profundidade de 50kg ou bombas de 110kg.


O Botha, em serviço, provou ser muito fraco e instável o que causou muitas quedas em 1940. Mais tarde a estrutura e o motor foram alvos de mais desenvolvimento mas foi decidido remover o avião de serviço nas linhas de frente. Nessa altura, o Air Staff tomou a errônea decisão de mandar as unidades sobreviventes para unidades de treino o que resultou em mais acidentes. Em 1944 todos Bothas foram retirados de serviço. 580 Bothas foram produzidos.

Especificações do Blackburn B-26 Botha

Tipo: bombardeiro naval
Tripulação: 4
Motor: 2 motores radiais Bristol Perseus de 940hp cada
Dimensões: envergadura: 17,98m; comprimento: 15,58m; altura: 4,46m; área da asa: 48,12m²
Performance: velocidade máxima:401km/h; alcance: 2.044km; teto operacional: 5.335 metros; velocicade de cruzeiro: 341km/h; velocidade de estol: 120km/h
Pesos: vazio: 5.366kg; máximo na decolagem: 8.369kg
Armamento: 3 metralhadoras de 7,7mm (uma na frente e duas na torre dorsal) e torpedo interno, carga de profundidade ou bombas até907 kg

Fairey Barracuda


Lançado para substituir o Albacore, que deveria substituir o Swordfish, o Fairey Barracuda era uma aeronave avançada projetada como um monoplano de alta-performance de acordo com requerimentos de 1937. O motor do projeto inicial foi o Rolls-Royce Exe, mas assim que esse motor foi abandonado a estrutura teve de ser modificada para acomodar o motor Merlin. 

O protótipo do Barracuda não voou antes de 7 de Dezembro de 1940 e logo foi verificado que esse pesado avião seria prejudicado pelos motores fracos até então disponíveis. O motor Merlin XXX de 1.260hp foi utilizado no Barracuda MK I e o Merlin 32 de 1.640hp utilizado no Barracuda MK II e Barracuda MK III.


Quando a prioridade de entrega era para a RAF, poucos Barracudas foram entregues para a Fleet Air Arm e somente em 1943 que os primeiros Barracudas MK I começaram a ser utilizados com as forças navais. Estes primeiros Barracudas estavam mais para testes do que serviço pois somente 23 foram entregues.

Os modelos principais utilizados em combate foram o Barracuda MK II equipado com o radar ASV Mk UN e o torpedeiro de reconhecimento Barracuda MK III, equipado com o radar ASV Mk X. O Barracuda viu serviço limitado na marinha e seu grande ponto de sucesso foi o ataque ao navio de batalha alemão Tirpitz, em Abril de 1944.

Especificações do Fairey Barracuda Mk II

Tipo: torpedeiro e bombardeiro de mergulho de três tripulantes
Motor: um Rolls-Royce Merlin 32 V-12 de 1.640hp
Performance: velocidade máxima: 367km/h a 533 metros de altura; sobe até 1.524 metros em 6 minutos; teto operacional: 5.060 metros; alcance: 1.851km
Pesos: vazio: 4.241kg; máximo na decolagem: 6.396kg
Dimensões: envergadura: 14,99m; comprimento: 12,12; altura: 4,60
Armamento: duas metralhadoras Vickers de 7,7mm, um torpedo de 735kg ou quatro cargas de profundidade de 204kg ou seis bombas de 113kg

Fairey Albacore


Eclipsado pelo Swordfish, avião que ele deveria substituir, o Fairey Albacore era uma versão melhorada do Swordfish. Tinha a cabine fechada e um motor mais forte para uma melhor performance. Voou pela primeira vez em Dezembro de 1938 e entrou para o serviço com a Royal Navy’s Fleet Air Arm em 1940. Era conhecido como Applecore e sua primeira missão foram ataques em Boulogne em Setembro de 1940. 

A maioria dos Albacores ficavam em terra mas tiveram seu momento de glória quando partiram do porta-aviões HMS Formidable e severamente danificaram o navio de batalha italiano Vittorio Veneto em Março de 1941. Após isso, o Albacore foi bastante utilizado em missões de bombardeio no deserto, normalmente durante a noite para prevenir ataques de caças do eixo. Eles foram importantes nas operações que levaram a Batalha de Alamein em Outubro de 1942.


Em operações com porta-aviões o Albacore viu missões no Mediterrâneo, Atlântico Norte, Ártico e no Oceano Índico. Ele também foi utilizado com sucesso como aeronave de apoio em invasões e desembarques como na Sicília, na Itália, e no norte daFrança. Cerca de 798 Albacores foram produzidos.

Especificações do Fairey Albacore

Tipo: torpedeiro e bombardeiro naval de três tripulantes
Motor: um motor radial Bristol Taurus II de 1.065hp
Performance: velocidade máxima: 259km/h a 2.134 metros de altura; sobe até 1.829 metros em 8 minutos; teto operacional: 6.309 metros; alcance: 1.320km
Pesos: vazio: 3.266kg; máximo na decolagem: 5.715kg
Dimensões: envergadura: 15,24m; comprimento: 12,13m; altura: 4,65m; área da asa: 57,88m²
Armamento: uma metralhadora Vickers de 7,7mm na frente e duas metralhadoras Vickers no cockpit traseiro mais um torpedo de 457mm ou 907kg de bomba

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: