Guerra Nas Ruas de Stalingrado

12 nov

Meses de luta corpo a corpo entre as ruínas fumegantes da cidade destruíram o sonho de Hitler de integrar a Rússia ao Terceiro Reich

 

Ao fim do dia 23 de agosto de 1942, quando a noite dissipava o calor do dia russo, tanques alemães passavam ruidosamente através dos subúrbios ao norte de Stalingrado e apareceram sobre os penhascos acima do rio Volga. A cidade, ao longo da íngreme margem ocidental do rio, parecia à beira do colapso. A aviação alemã já tinha reduzido o centro a escombros causando quarenta mil mortos. Milhares de pessoas fugiam para leste através do Volga.

Hitler tinha lançado as suas tropas no Cáucaso em 9 de julho, depois de uma ofensiva no ano anterior ter sido imobilizada pela neves do inverno russo. Quatro dias mais tarde, decidiu ordenar um ataque que sobre Stalingrado, cujas fábricas contribuíam de forma relevante para o esforço de guerra russo.

Os alemães encontraram a cidade bem defendida. Apesar disso, o 6° Exército sob o comando do general Friedrich Paulus, com a ajuda da 4ª divisão blindada, do general Hermann Hoth, conseguiu ultrapassar as linhas russas e atingir o Volga.

Esta investida acabou por representar o limite do maciço avanço alemão. Para completar a vitória, os alemães teriam que conquistar o resto da cidade, rua por rua. A única maneira de desocupar um prédio era invadi-lo, incendiá-lo, ou tomar suas dependências uma a uma.

General Friedrich Paulus

Lealdade traída - Até Stalingrado, o general alemão Paulus fora um oficial leal e obediente. Depois, preso e amargurado por ter sido abandonado por Hitler, encorajou os alemães a desertarem.

O 62° Exército russo, dirigido pelo general Vassity Tchuikov, improvisara uma nova tática de guerra pela defesa da cidade. Organizados em “grupos de assalto”, alguns constituídos por menos de uma dúzia de homens, os russos lutavam por cada aposento, cada pilha de escombros. Às vezes, abandonavam as suas posições só quando o chão ardia e as roupas fumegavam. De noite, voltavam pelos telhados para retomarem suas posições. Quando faltavam munições, lançavam pedras para repelir os alemães.

Nas ruas obstruídas por escombros, os homens cavavam trincheiras, utilizando pás com rebordo afiados para as lutas corpo a corpo. Aproveitando-se da escuridão, com os pés envolvidos em trapos, deslocavam-se furtivamente ao longo das ruas ou rastejavam pelo canos de esgoto para conseguirem posições estratégicas.

Nesse meio tempo, o general Gueorgui Jukov, vice-comandante supremo do Exército Vermelho da Rússia, reunia quinhentos mil homens, novecentos tanques e 1.100 aviões para uma contra-ofensiva sobre Stalingrado. Esta foi adiada até a chegada do frio de novembro, de modo a dar aos seus tanques uma base mais firme; até lá, as tropas de Tchuikov em Stalingrado deviam agir como isca involuntária para atrair mais unidades alemãs para o interior da cidade.

Guerra Urbana

Guerra Urbana - Os russos obrigaram os alemães a combater por cada palmo de Stalingrado, fazendo de cada edifício uma fortaleza. Mesmo os escombros nas ruas davam cobertura aos atiradores.

Hitler, desconfiado de um contra-ataque russo, mandou 22 divisões de blindados avançarem, mas o plano redundou de imediato num revés humilhante, pois a metade dos tanques pararam com curtos-circuitos nas instalações elétricas: os ratos, atraídos pela palha utilizada para proteger os veículos contra o frio, tinham roído o isolamento.

Por fim, em 19 de novembro, os russos lançaram um ataque a norte e a sul da cidade, repelindo as forças de apoio ao 6° Exército alemão. Em poucos dias, fecharam ainda mais o cerco, atingindo Paulus e os seus 285 mil soldados.

Percebendo a situação, Paulus telegrafou pedindo autorização para recuar. Hitler, porém, recusou-se a aceitar a derrota e deu instruções para que o 6° Exército tomasse uma posição defensiva e esperasse por auxílio. Seriam enviados abastecimentos por avião para manter as tropas alemãs do 6° Exército até os blindados de apoio poderem abrir caminho através dos exércitos russos que os cercavam.

Presos e Gelados

Presos e Gelados - Castigados pelo frio, os 91 mil alemães capturados em Stalingrado foram enviados para uma morte quase certa nos campos de prisioneiros.

O plano foi um fracasso desde o início. Num esforço vão para transportar provisões suficientes, a Luftwaffe perdeu quinhentos aviões, enquanto os tanques alemães eram detidos a 50km de Stalingrado.

Assim, o 6° Exército teve de enfrentar o inverno russo sem abastecimentos. As queimaduras causadas pelo frio tornaram os corpos dos soldados completamente insensíveis – os pés de um homem foram roídos por ratazanas enquanto ele dormia -, e a disenteria, o tifo e a fome fizeram muitas vítimas. Os quatro mil cavalos do exército foram abatidos e comidos. A seguir, Paulus determinou que a ração diária de alimentos fosse uma tigela de sopa e cerca de 50g de pão por homem. Enquanto vinte mil soldados vagueavam pelos escombros, vinte mil jaziam entre as ruínas.

 

“Stalingrado cheira mal em conseqüência dos mortos em decomposição, do fogo, da destruição. E do odor amargo da desesperança.”  –  Soldado Alemão

 

À medida que os russos se aproximavam, Paulus abandonou o seus quartel-general em Gumrak, a 10km do centro da cidade. Hitler continuava a proibir a rendição do 6° Exército. Paulus, porém, agora marechal-de-campo, decidiu render-se sem autorização. Em 31 de janeiro, quando os russos entraram no seu quartel-general, nos armazéns Univermag, ele absteve-se da saudação nazista.

O combate em Stalingrado tinha custado aos alemães 147 mil homens, e aos russos, 47 mil. Entre a devastação, a morte e a vergonha, o sonho de conquista de Hitler começava a desfazer-se.

Gueorgui Zhukov e Vassily Tchuikov

Da mesma fibra - Gueorgui Zhukov (esquerda) e Vassily Tchuikov (direita) eram generais implacáveis e astutos, cuja capacidade de aprender com a experiência foi crucial na defesa de Stalingrado.


 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: